Açaí pode ajudar no combate ao novo coronavírus?

açaí
Foto: ASCOM EMATER/Fotos Públicas

Cientista brasileira é uma das responsáveis pelo estudo que tenta entender se o extrato da fruta pode ter um efeito preventivo contra a covid-19

Uma frutinha muito conhecida do brasileiro, está sendo pesquisada para combater o novo coronavírus. Cultivada no norte do país, o açaí, segundo estudos anteriores, pode impedir a ação inflamatória e assim, poderia ajudar a prevenir os sintomas mais graves da covid-19.

A pesquisa está sendo conduzida pela brasileira dra. Ana Andreazza e pelo dr. Michael Farkouh, os dois são cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá. Por conta da pandemia, o conhecimento dos dois cientistas se cruzaram. 

A dra. Ana estuda o extrato de açaí já há cinco anos e tem conhecimento sobre o efeito do extrato na resposta inflamatória. Depois que a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu o coronavírus como pandemia, a pesquisadora decidiu estudar mais o açaí, mas dessa vez como um potencial tratamento para o SARS-CoV2. 

Sabendo da pesquisa da dra. Ana, a diretora do departamento, dra. Ruth Ross conectou com o Dr. Farkouh, reconhecido como cientista clínico. Os dois logo começaram a trabalhar juntos em um ensaio clínico. “Nossa colaboração é uma história realmente interessante de como cientistas translacionais e cientistas clínicos se reúnem em tempos de crise para apresentar uma intervenção cientificamente sólida”, disse o Dr. Farkouh.

Uma solução econômica

Se o estudo provocar a eficácia do extrato de açaí, ele será um forte aliado na luta contra o coronavírus.

“Este potencial tratamento tem vários benefícios, incluindo o fato de que o extrato de Açaí é seguro, barato e podemos produzi-lo em grandes quantidades”, disse a Dra. Ana. 

Dr. Farkouh acrescentou, “pensamos que esta intervenção tem potencial não apenas no Canadá e no Brasil, mas também em países de baixa e média renda, onde os desafios de administrar a covid-19 são mais exagerados”, disse o Dr. Farkouh. Ele observou que, se mostrado para ser eficaz, o extrato também poderia ser dado preventivamente como uma medida de saúde pública.

A pesquisa

A pesquisa já saiu do laboratório, e 580 pacientes no Canadá e também no Brasil, a Universidade de São Paulo é parceira da Universidade de Toronto, com o novo coronavírus estão participando desta nova fase. Metade dos pacientes tomou doses do extrato e o restante, recebeu placebo.

Os resultados devem ser divulgados até o fim de 2020.

Ler esta notícia me deixou:
shares
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?