fbpx

Orquestra Popular Marafreboi grava primeiro DVD em 12 anos de carreira

A gravação conta com participações especiais e apresenta um repertório de composições tradicionais e temas autorais

Foto: Percio Campos

A Orquestra Popular Marafreboi realizou um feito histórico no último sábado (05/12): gravou seu primeiro DVD no Museu Vivo da Memória Candanga após 12 anos de estrada. O registro marca uma nova etapa na empreitada do conjunto, que vai começar um projeto para aumentar seu público pela internet.

A Orquestra espalha as tradições pernambucanas no Distrito Federal, agitando a cena da cultura popular e entretendo foliões em sua trajetória, comandada pela batuta do Maestro Fabiano Medeiros. Além de alcançar novos ouvintes, ele espera que a imagem da Orquestra seja fortalecida no digital. Isso, consequentemente contribuiria para o empoderamento e representatividade dos ritmos nordestinos, que já fazem sucesso presencialmente com as Noites Pernambucanas.

“Nesse projeto, a gente traz artistas de Recife. É uma relação cultural entre Pernambuco e Brasília, uma vez que dentro do círculo carnavalesco de Brasília, existe uma diversidade de ritmos, entre eles, o frevo. O projeto fez com que a orquestra começasse a dialogar com artistas e mestres da cultura popular do Recife. Já vieram Claudionor Germano, Maestro Spok, Maestro Forró, Getúlio Cavalcanti, Maestro Ademir Araújo”, explica Medeiros.

As participações

A gravação contou com a presença de grandes figuras do gênero musical, um deles foi o Maestro Ademir Araújo (PE), mais conhecido como Maestro Formiga. O artista colabora com a música brasileira há mais de 50 anos. Por todos os seus feitos ao longo de sua jornada, em 2013, ele foi agraciado com o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco. “O Maestro Fabiano escolheu um frevo, que foi o primeiro que escrevi, para entrar no DVD. Para mim é uma satisfação fazer parte deste momento histórico”, conta O Maestro Formiga sobre sua atuação com o tema Furacão.

Outras participações que abrilhantaram esta apresentação foram: Sàh Santos (GO) cantando Capoeira, de Jorge Recife, Cristiane Visentin (MG), interpretando Bom Sebastião, de Getúlio Cavalcanti e Aquarela do Brasil de Ary Barroso, e Ed Carlos (PE) resplandeceu sua conhecida voz em Chapéu de Sol, de Mestre Capiba. A única orquestra de sopros do Centro-Oeste com origem musical nordestina  prevê o lançamento do DVD para fevereiro, durante o Carnaval, época que melhor evidenciou seu trabalho e suas raízes. 

A composição do espetáculo

Em uma exibição construída por dezoito músicos e dez bailarinos, doze faixas de puro deleite contarão mais de uma década de frevos, maracatus e bois, interpretados pela tradicional Orquestra, em um espaço considerado um dos cartões-postais do quadradinho, o Museu Vivo da Memória Candanga. O museu, além de um monumento de evidente valor estético, agrega história ao projeto audiovisual.

“O museu foi escolhido por ser um patrimônio histórico e cultural do DF e um espaço que conta um pouco do surgimento de Brasília, da vinda dos candangos para cá. O Maestro Fabiano escolheu esse lugar, porque é muito representativo, é um lugar que carrega as memórias e a história de Brasília”, relata Lorena Oliveira, gestora cultural do Beco da Coruja Produções, que, em parceria com o Instituto Janelas da Arte, realiza e produz a gravação.

 A realização da obra conta ainda com o apoio do Museu Vivo da Memória Candanga e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (SECEC), além de recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC). Vale ressaltar que todas as medidas de segurança sanitária devido a pandemia da COVID-19 foram tomadas. Sendo assim, a gravação foi feita com o devido distanciamento social, sem aglomerações, portanto, sem a presença do público, e com o uso de equipamento de proteção individual e álcool gel.

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?