fbpx

O dia em que eu deixei de gostar de final de semana [Contexto Livre]

Foram anos esperando o final de semana chegar. Quantas semanas passei contando os dias até a sexta e ficando triste no domingo! Nunca imaginei que chegaria um dia em que eu preferiria as “feiras”, mas ele chegou.

Você já teve insônia? É super agoniante passar a madrugada em claro. Quem já teve sabe que raramente conseguimos aproveitar uma noite de insônia fazendo algo útil ou prazeroso.

E por quê? Durante aquelas horas, você pouco pode fazer por aqueles problemas que estão deixando você acordado.

O mundo está dormindo, está parado. Você está ali sozinho, em uma casa quieta e escura, mas em uma mente agitada que não para um segundo sequer.

A cada final de semana desse período de isolamento social, eu percebi o quanto eu queria que chegasse a segunda-feira.

E por que? Porque os finais de semana passaram a ser basicamente uma grande noite de insônia que dura 48h.

Passamos a semana tentando fazer tudo acontecer, mas vemos que o mundo está travado. Oportunidades de negócio, de emprego, o mercado, tudo está devagar. Parece que estamos vivendo em câmera lenta; justo agora que queríamos acelerar e pular logo para o final desse caos todo.

Passamos todos os dias em casa. Em casa e sem ver os amigos. Em casa e sem ver a família. Em casa e sabendo que o mundo está um caos. Em casa e ansiosos, sem saber quando tudo isso vai passar. E esse é o ponto.

Em um momento de tanta preocupação e insegurança, a semana já é difícil, mesmo em meio a tantas tarefas e responsabilidades. Mas, no final de semana sobra mais tempo ainda para eu me perder no fluxo infinito de pensamentos ansiosos que se repetem na minha cabeça.

Pensar sobre todas as minhas inseguranças se torna minha atividade principal e, se já está difícil resolver algo durante a semana, imagina nesses dois dias.

Por isso, o final de semana para mim passou de ser esperado e se transformou nessa grande noite de insônia que dura 48h. E agora, o que eu faço?

Se você, como eu, tem se sentido assim, seguem três dicas do que fazer para conseguir passar por esses dias com mais tranqüilidade:

  1. Faça planos:

Como em um final de semana normal, em que costumávamos combinar de sair com os amigos, ir ao cinema ou comer algo especial, faça planos. Se programe. Marque hora, crie um cenário, prepare ou peça uma refeição gostosa e curta aquele momento.

Chame quem está em casa para uma sessão de cinema, faça um jantar romântico na varanda ou um piquenique no chão da sala. Use sua criatividade e marque seus próprios eventos, mesmo que seja comprando bebida e se arrumando para assistir uma live de um artista que você gosta.

  1. Mantenha uma rotina:

Durante a semana propriamente dita, mantenha uma rotina. Tenha horários e tarefas. Tente fazer com que ela se pareça a uma semana normal para que você consiga produzir – se mantendo feliz com o seu desempenho – e, então, possa encarar o final de semana realmente como um descanso e um tempo livre.

  1. Aproveite seus amigos:

Não é só porque não podemos nos encontrar fisicamente, que não podemos conversar ou nos ver. Ligue para os seus amigos, marque festinhas por vídeo chamada. Converse com os seus amigos e familiares, compartilhe o que você tem sentido e troque experiências. Você não só deixará de se sentir sozinho, como também se distrairá e descobrirá novas atividades e formas de passar o tempo.

A vida é feita de fases e logo essa também passará. Por enquanto, temos que cuidar da nossa saúde emocional e criar estratégias para passarmos por esse período tão difícil da melhor forma possível.

Júlia Tudella Bianco é Publicitária paulista vivendo no Planalto Central. “Adoro aprender mais sobre os assuntos da mente e da alma, sempre inquieta na busca por encontrar o melhor jeito de viver essa aventura que é a vida. Apaixonada por viagens, mãe de dogs e na eterna dúvida sobre largar tudo e morar na praia! Já trabalhei em diferentes agências e empresas, atualmente estou me especializando em UX research e, futuramente, em UX writing.” Sigam  a Júlia no insta: @jubianco 

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?