fbpx

África do Sul investe no desenvolvimento de um hub de mRNA

áfrica
mRNA hub – Técnicos de laboratório trabalham em laboratórios na Afrigen, uma empresa na Cidade do Cabo que foi selecionada como o Centro de Vacinas da OMS, na África do Sul. Foto: Rodger Bosch/MPP/WHO

O novo hub na África do Sul visa desenvolver a tecnologia mRNA para a produção de vacinas contra a covid-19, e também para ajudar na luta contra outras doenças

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Dr Tedros Adhanom Ghebreyesus, e outras autoridades visitam hoje (11) parceiros do setor público e privado que estão colaborando para desenvolver e construir o centro global de transferência de tecnologia de vacinas de mRNA da OMS na África do Sul.

Durante a maior parte de 2021, o acesso limitado às vacinas contra a Covid-19 deixaram bilhões de pessoas, em especial, nos países de baixa e média renda, mais vulneráveis à infecção causada pelo coronavírus. Outro fator, apontado anteriormente pela OMS, os baixos níveis vacinais podem contribuir para o surgimento de novas variantes, como aconteceu com a Ômicron, a nova cepa é a responsável por uma nova onda da pandemia.

A oferta da vacina vem aumentando, mas a capacidade de produção segue limitada a um pequeno grupo de países e empresas. Por isso, a criação de um hub de desenvolvimento da tecnologia mRNA na África do Sul se torna um caminho fundamental no combate à pandemia. 

“A Covid-19 demonstrou a importância dos investimentos em ciência, tecnologia e inovação. Portanto, a preparação para futuras pandemias é fundamental e, portanto, o hub global de mRNA da OMS é um alicerce fundamental para garantir que a África do Sul e todo o continente tenham a capacidade de produção essencial para a distribuição equitativa de vacinas”, disse Blade Nzimande, ministro do Ensino Superior da Ciência e Tecnologia da África do Sul. “A tecnologia de mRNA não é apenas para Covid-19, esperamos que possa ser adaptada para nos ajudar na luta contra o HIV, tuberculose e malária, e é por isso que estamos investindo fortemente, ao lado de parceiros internacionais, nesta iniciativa.”

O objetivo central é desenvolver uma instalação de treinamento onde a tecnologia de mRNA seja desenvolvida na escala necessária para a produção em massa de vacinas e, em seguida, para que esse pacote completo de tecnologia seja transferível para vários destinatários em países de baixa e média renda.

“Ainda não estamos fora de perigo e provavelmente seremos atingidos por novas variantes do Covid-19 e uma quinta onda que coincide com nossa temporada de inverno, o que aumentaria nossa temporada de gripe e resfriado. No entanto, podemos reduzir o impacto garantindo que a maioria das pessoas seja vacinada, especialmente os grupos mais vulneráveis”, disse o ministro da Saúde da África do Sul, Dr. Joe Phaahla. Ele completou: “países de baixa e média renda em todo o mundo para se beneficiar da tecnologia transferida, juntamente com o know-how, para que também possam produzir vacinas de mRNA, o que é fundamental se quisermos acabar com a desigualdade nas vacinas”.

Na semana passada, a Afrigen, que faz parte do consórcio de mRNA da OMS, ganhou aplausos internacionais ao anunciar que havia desenvolvido sua própria versão de uma injeção de mRNA, com base nos dados disponíveis publicamente sobre a composição da vacina Moderna COVID-19, que será testado nos próximos meses.

“Este vírus mostra como estamos todos interconectados e estou orgulhoso de que a Bélgica – e outros países da UE – estejam agora colaborando para construir capacidade de vacina em todos os lugares”, disse Meryame Kitir, ministra da Cooperação para o Desenvolvimento e Política Urbana da Bélgica. “No futuro, precisamos de mais compartilhamento de licenças, transferência de tecnologia e know-how para que, nesta pandemia e nas futuras, possamos lançar vacinas de forma rápida e equitativa para toda a população global.”

O hub global de mRNA foi projetado para atender países de baixa e média renda e capacitará os países a não apenas serem capazes de fazer suas próprias vacinas de mRNA, mas também a escolher quais vacinas desejam fazer. Os fabricantes de países de baixa e média renda são, portanto, incentivados a manifestar seu próprio interesse para que possam receber treinamento, transferência de tecnologia e quaisquer licenças necessárias. A OMS e os parceiros trarão o know-how de produção, o controle de qualidade e as licenças necessárias para uma única entidade para facilitar uma ampla e rápida transferência de tecnologia para vários destinatários.

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?
%d blogueiros gostam disto: