Rodrigo Maia critica governo e defende o movimento Câmara Livre

Maia
Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

No início da tarde de hoje, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), participou de uma entrevista coletiva. Na oportunidade, ele criticou a postura do governo federal por não ter, segundo o parlamentar, uma política clara para a recuperação econômica, e também de não dispor de um planejamento para a vacinação contra a covid-19. Além disso, Maia destacou a importância do movimento Câmara Livre para as eleições da presidência da casa.

Rodrigo Maia defendeu que a economia precisa ser prioridade na pauta do Congresso. Ele pediu pressa para a votação da PEC Emergencial, que atualmente está em tramitação no Senado Federal. A questão orçamentária também é urgente. Segundo Maia, se isto o orçamento não for resolvido, o governo poderá criar um novo imposto ou “voltar com a maldita CPMF”. Para o parlamentar não é possível “cobrar da sociedade o que seria de responsabilidade do governo”.

O novo presidente

O Supremo Tribunal Federal barrou a reeleição de Rodrigo Maia. No entanto, a decisão do judiciário não trouxe nenhuma mudança, pois, o próprio deputado já afirmava que deixaria a presidência da Câmara no próximo ano. Mas quem será o próximo presidente da casa?

Durante a entrevista, Maia destacou que o governo já tem um candidato próprio, o deputado Artur Lira (PP-AL), e aproveitou para fazer críticas a postura do governo. Segundo ele, Jair Bolsonaro estaria interferindo na sucessão e precisa de um candidato “patrocinado por ele” para defender pautas “contra o meio ambiente, e a pauta das armas”, afirmou.

O candidato de Rodrigo Maia para a presidência da Câmara ainda não foi definido. De acordo com o deputado, cinco ou seis parlamentares poderão ser indicados, mas este é o momento para o diálogo. “Eu tenho a qualidade de ouvir muita gente, as minhas decisões não são decisões isoladas”, disse Maia que reconheceu que essa demora pode gerar conflito, “às vezes, alguns se sentem preteridos”.

Outro ponto levantado por Maia foi a diferença de intenções do futuro presidente da Câmara. Para ele, o nome apoiado por Jair Bolsonaro irá defender as pautas de costume e possivelmente, poderá atrasar os avanços realizados por ele. Assim, o presidente da casa acredita que o candidato dele não precisa ser “contra o Bolsonaro, mas um candidato que defenda a liberdade da Câmara”. Para Maia, o próximo presidente terá o desafio de avançar no debate econômico, e de fortalecer a imagem do poder legislativo perante a sociedade.

Queda do ministro

Hoje, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi demitido do cargo. Durante a entrevista na Câmara, Rodrigo Maia não comentou sobre a demissão, mas afirmou que o governo federal tem o desafio de dedicar investimentos a dois ministérios. Turismo e Cidadania são as duas pastas que precisam ter uma atenção especial durante a pandemia. Maia lembrou que o setor de turismo e eventos precisam de suporte do governo, além dos brasileiros em situação de pobreza, “os mais pobres foram abandonados”, disse.

Ler esta notícia me deixou:
shares
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?