fbpx

Número de investidores ativos no Tesouro Direto atinge a marca de 1,46 milhão

Tesouro Direto
Créditos: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Mesmo com juros baixos, títulos remunerados pela Selic ainda são uma aposta segura

No Tesouro Direto, bons números sugerem boas aplicações e grandes chances de sucesso. De acordo com o balanço do Ministério da Economia, o total de investidores ativos no Tesouro Direto atingiu a marca de 1.464.804 pessoas no mês de janeiro. O saldo representa um acréscimo de 21.119 investidores mensais. O número de usuários cadastrados no programa aumentou em 377.421, o que representa uma ampliação de 4,10% em relação a dezembro de 2020.

Quanto às operações, 423.013 compras foram realizadas em títulos do Tesouro Direto, o que resultou em um valor de R$ 2,29 bilhões, no mês passado. Já os resgastes, somam-se em R$ 3,027 bilhões, e o pagamento de juros semestrais totalizou R$ 190,9 milhões. Por isso, houve um retorno de R$ 734,68 milhões.

Risco Zero

Tesouro Direto
Créditos: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Para quem sente insegurança na aplicação, os dados podem apresentar mais confiança na hora de depositar as economias. “O Tesouro Direto é uma alternativa atrativa de investimento. Primeiro lugar porque ele é o risco zero. Então, você está remunerando o dinheiro sem que a pessoa corra o risco de perder essa grana. Então, pro investidor com perfil mais conservador, esta alternativa é a ideal”, aconselhou o professor de economia da Fipecafi – Cursos de Contabilidade, Economia e Administração, em São Paulo, Diogo Carneiro

Os títulos mais exigidos por quem aplica foram os indexados à inflação como Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com juros semestrais que somaram em vendas R$ 907,31 milhões e corresponderam a 39,57% do total. Quanto aos títulos indexados à taxa Selic, o rendimento foi de R$ 789,5 milhões.

Segundo o operador de renda fixa da Corretora Nova Futura Investimentos, André Alírio, os juros baixos ainda são uma ótima aposta para os títulos do Tesouro Direto remunerados pela Selic. O principal benefício, vem justamente de se tratarem de economias do mundo, como no Japão que possuem juros ao investidor negativos. “Existem economias desenvolvidas que têm taxas de juros negativas. Então, é importante que o brasileiro se adapte a taxas de juros menores, mas eles ainda são vantajosos”, explicou.

Estoque

No mês passado, o estoque do Programa finalizou em R$ 62,51 bilhões, uma queda de 0,31% em relação ao mês anterior (R$ 62,70 bilhões).

Os títulos remunerados por índices de preços se mantêm como os mais influentes do estoque somando R$ 32,24 bilhões, ou 51,57% do total. Na sequência, vêm os títulos indexados à taxa Selic, totalizando R$ 18,48 bilhões (29,57%), e os títulos prefixados, que somaram R$ 11,79 bilhões, com 18,86% do total.

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?