Mirou no lucro e causou um rebuliço. Americano faz estoque de 17 mil garrafas de álcool gel e não consegue vender

30

O avanço da epidemia de coronavírus trouxe um clima de apreensão em várias partes do mundo. Por exemplo, nos mercados canadenses itens básicos como papel higiênico já não são encontrados e as prateleiras estão vazias em muitos estabelecimentos. A corrida por produtos de higiene e limpeza motivou dois irmãos americanos a ’empreender’. Eles até miraram no lucro, mas o resultado foi além do prejuízo financeiro.

No mês de março, após a primeira morte por coronavírus nos Estados Unidos, Matt e Noah Colvin pegaram o carro e saíram por várias lojas para comprar álcool em gel e lenços antibacterianos. Eles fizeram uma peregrinação nas lojas para ter um estoque robusto, andaram mais de 2000 km entre os estados de Teennesse e Kentucky. Matt Colvin, em entrevista para o The New York Times conta que publicou a ‘oferta’ na Amazon e conseguiu vender quase que imediatamente, 300 garrafas de álcool em gel. Os preços variavam de 8 a 70 dólares, valores muito superiores ao que foi pago originalmente pelos irmãos.

Mas o que seria um dinheiro fácil virou prejuízo. No dia seguinte das primeiras vendas, a própria Amazon tirou os itens da plataforma. A gigante alega que retirou do site milhares de produtos ao perceber essa estratégia e alertou os vendedores que estavam inflacionando o preço de itens como máscaras, álcool em gel e lenços antibacterianos.

Percebendo o mesmo comportamento, o Ebay também seguiu a tendência da Amazon e agora proíbe a venda dos itens procurados por conta do Covid-19. O Walmart e outras plataformas on-line estão monitorando esta situação e vão atuar para evitar que pessoas lucrem com a epidemia.

O estoque dos irmãos chegou a ter mais de 17 mil garrafas de álcool em gel. Sem ter como vender, Matt Colvin se questionou: “o que eu vou fazer com isso agora?”

A pergunta teve uma resposta e a história ganhou um final feliz. Na manhã deste domingo (15), Matt levou as garrafas de álcool em gel e os lenços antibacterianos para uma igreja na cidade de Chattanooga, no Tennesse, para que os itens possam ser doados para pessoas carentes em todo o estado do Tennesse.

No entanto, a história não deve terminar por aqui. Os irmãos estão lidando com o ódio dos compatriotas e até com ameaças de morte, foi criado um abaixo-assinado para que os Colvin sejam processados pela prática dita ilegal.

A justiça do estado irá seguir a investigação pela prática de preço abusivo, isto porque a lei de cobrança de preços do Tennessee proíbe cobrar preços “excessivamente altos” por uma variedade de itens, incluindo alimentos, gás e suprimentos médicos, depois que o governador declara estado de emergência. O estado pode aplicar multas de até 1.000 dólares por violação.

O estado de emergência foi declarado no dia 12 de março e os irmãos fizeram as compras e as vendas antes da data. Mesmo assim, as autoridades locais irão investigar o caso e aplicar a legislação cabível.

Ler esta notícia me deixou:
shares
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?