fbpx

Mais seis pódios para o time Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio

brasil
Judoca Lúcia Araújo, três vezes medalhista em Paralimpíadas. Foto: Reprodução/Twitter CPB

Seis medalhas para o time Brasil no quarto dia de competições em Tóquio

Os para-atletas brasileiros seguem em busca de recordes e medalhas no Japão. No quarto dia de competições nas Paralimpíadas, o time Brasil somou mais seis medalhas para a coleção e agora tem 23 no total.

No atletismo, Cícero Valdiran Lins Nobre foi bronze no lançamento de dardo, na classe F57. Thalita Simplício também conquistou a prata, nos 400 metros da classe T11. Julyana da Silva ficou com o bronze no lançamento de disco, na classe F57. Cátia Oliveira faturou o bronze pela classe 2 do tênis de mesa. Lúcia Araújo foi bronze na categoria até 57 kg do judô. E, por fim, o bronze na natação, na prova do revezamento misto 4x100m (da classe S14).

Atletismo

brasil
Thalita Simplício leva a prata nos 400m. Foto: Wander Roberto/CPB @wander_imagem

No dardo, Cícero Valdiran Lins Nobre era apontado como um dos favoritos da prova e ele chegou a bater o recorde paralímpico com 48.93, mas acabou sendo superado pelo por Hamed Heidari, do Arzebaijão, que fez 51.42 e também, pelo iraniano Amanolah Papi que conseguiu a marca de 49.52.

A medalhista de prata Thalita Simplício começou no atletismo aos 15 em um projeto do Comitê Paralímpico Brasileiro. Esta foi a segunda medalha da potiguar em Jogos Paralímpicos – ela também foi prata nos Jogos Rio 2016 (revezamento 4x100m).

Bronze no lançamento do disco, Julyana da Silva ficou feliz com o resultado e se prepara para o próximo desafio.  “Prestei bastante atenção nas outras atletas. De 12 competidoras, eu fui a nona arremessar. Isso para mim foi bom. Pude ver como era a técnica [do arremesso] das outras atletas e saber como deveria atuar. É um sentimento bem confortante. Somos atletas e trabalhamos com meta e objetivo. Agora vou descansar porque depois tem mais [disputa no arremesso de peso]”, disse.

Tênis de Mesa

Cátia Oliveira levou o bronze pela classe 2 e contou que “eu tentei levar este ouro para o Brasil, mas estou muito feliz com o bronze. Em nenhum momento, fiquei com medo de perder. Vim para Tóquio e representei o meu país. Esta medalha é de todos”.

O time Brasil já garantiu uma final na modalidade com Bruna Alexandre, da classe 10. A decisão será na próxima segunda-feira (30), Às 6h45 – horário de Brasília. “Essa conquista não é só minha. É de todo mundo que me ajudou a chegar até aqui”, disse Bruna Alexandre. “Agora é descansar e chegar preparada para essa final. E isso eu estou, perdi uns 20 quilos nos últimos nove meses e estou no meu melhor físico”, comentou a atleta, de 26 anos

Judô

Lucia Araújo conquistou pela terceira vez consecutiva uma medalha em Jogos Paralímpicos. A primeira foi em Londres (2012), depois no Rio (2016) E dessa vez, a conquista veio após derrotar a russa Natalia Ochinnikova, na categoria até 57kg, por ippon.

Natação

O time Brasil levou mais uma medalha na natação. Dessa vez, o revezamento misto 4×100, classe S14, ficou com o bronze. A equipe chegou a terminar a prova em quarto, e herdou o pódio com a desclassificação do Comitê Paralímpico Russo. O time verde e amarelo contou com os nadadores Ana Karolina Soares, Debora Carneiro, Felipe Vila Real e Gabriel Bandeira, que já tinha duas medalhas em Tóquio.

Com a conquista, o Brasil agora soma 10 medalhas da natação nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. Foram conquistados já dois ouros, duas pratas e seis bronzes.

 

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?