2ª Turma do STF declara parcialidade de Sergio Moro

STF julgou suspeição do ex-juiz Sergio Moro nesta terça-feira (23). Foto: MJSP

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) declarou que o ex-juiz federal Sergio Moro foi parcial na condução do processo da Lava Jato que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O placar da votação foi de 3 a 2.

No entanto, de acordo com a jurista e mestre em Direito Penal pela PUC-SP Jacqueline Valles, a suspeição de Sergio Moro não implica na absolvição de Lula nos processos do tríplex, do sítio de Atibaia e do Instituto Lula.

Jacqueline Valles, jurista e mestre
em Direito Penal pela PUC-SP. Foto: divulgação

A especialista explica que a decisão do STF não anula todas as provas colhidas e reforça que os processos devem ser julgados por um novo juiz. “A condução e análise das provas, as audiências e a sentença são consideradas viciadas e, portanto, nulas”, afirma.

Anulado pelo ministro Edson Fachin, o processo de Lula foi enviado para a Justiça Federal do Distrito Federal. Com isso, o novo juiz designado para o caso poderá aproveitar a denúncia e as provas documentais. “A decisão torna a análise das provas dos processos contra Lula sem efeito, mas ele ainda poderá ser condenado por esses crimes. Um novo juiz deverá analisar as provas do processo, fazer audiências e, depois desse trâmite, proferir a sua sentença”, completa a jurista.

Jacqueline afirma que parte dos crimes imputados ao ex-presidente não corre o risco de prescrever com essa decisão. “A prescrição, no caso de Lula, seria de 10 anos. Ainda há tempo hábil para que o processo transcorra”, explica.

Na avaliação da jurista, a determinação do STF é esperada e acertada. “A maior característica do Poder Judiciário é a sua imparcialidade. Somente um juiz imparcial poderá analisar de forma livre e justa um processo. Quando é constatado qualquer sinal de parcialidade, o juiz deve ser afastado, porque isso macula todos os seus atos. E foi isso o que aconteceu com Sergio Moro. A relação estreita com a acusação, demonstrada após a divulgação das trocas de mensagens entre Moro e os procuradores da Lava Jato, pelo site Intercept, não deixa dúvidas de que ele não procedeu com a imparcialidade que se espera de um juiz”, afirma.

 

 

 

Ler esta notícia me deixou:
shares
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?