fbpx

Pedro Antônio Paes, diretor de multidões

O filme “Tô Ryca 2” foi lançado na semana passada, e eu tive o prazer de assistir à pré-estreia no Rio, a convite do diretor e meu amigo Pedro Antônio Paes. O filme é divertidíssimo e dá sequência à franquia estrelada por Samantha Schmütz, que bateu 1 milhão de espectadores na primeira edição. Acompanho há tempos a trajetória do Pedro, afinal estudamos juntos desde a 5ª série, no São Vicente de Paulo, até o final da faculdade de Comunicação na PUC. Conheci o pai dele, o cineasta Paulo Thiago, que nos deixou no ano passado. Tive até a honra de compor um sambinha com ele para um filme. É muito maneiro ver os trabalhos do Pedro bombando nas telonas, na TV e no streaming! Bati um papo com ele e conto um pouco mais dessa história na coluna Contexto Carioca!! 😉

Pedro Antônio Paes
O diretor Pedro Antônio Paes lança seu novo longa, “Tô Ryca 2”. A primeira edição da franquia bateu 1 milhão de espectadores (Arquivo pessoal)

Na quinta série, ainda não era um bom aluno. Mas no ano seguinte alguma coisa mudou: passou a se dedicar mais aos estudos e a conseguir notas altas. Acho que ele teve algum papo com os pais, que o convenceram definitivamente sobre a importância dos estudos e da erudição. O Paulo Thiago e sua esposa, a produtora Gláucia Camargos, sempre foram pessoas intelectualizadas, cabeças pensantes e que souberam transmitir bem esses valores ao Pedro e seu irmão Paulo Francisco. O mais novo é pianista clássico e compositor, autor de diversas trilhas para cinema – incluindo “Tô Ryca 2”. O músico lançou no ano passado seu segundo trabalho autoral, “Estar ao Redor”, com Ilessi e Luisa Lacerda. (Ouça na playlist da coluna).

Pedro Antônio Paes e Paulo Thiago
“Meu pai foi fundamental na minha formação audiovisual, eu diria que praticamente tudo passou por ele” (Reprodução Instagram)

LEGADO:

“Enquanto os pais normalmente levam as crianças pro parque, ele me levava pra cinemateca do MAM. E eu, menino, ficava vendo filmes mudos e achando o máximo! Ele sempre foi uma fonte de conhecimento, de troca, e pela imensa capacidade intelectual, tinha uma ampla gama de alcance para ensinar. E gostava de ensinar. Ele é da geração pós-Cinema Novo, então o legado dele foi contribuir pra perpetuação de um cinema que falasse do Brasil, que ajudasse a gente a conhecer melhor nossos autores e nossa cultura: Carlos Drummond de Andrade, Guimarães Rosa, Lima Barreto, Machado de Assis, filmes históricos, a bossa nova… Ajudou a exportar o cinema brasileiro para o mundo, rodando em dezenas de festivais internacionais, ganhando prêmios inclusive. Era assumidamente um apaixonado pelo país”

Pedro Antônio Paes
Pedro Antônio concede entrevista no pré-lançamento de “Tô Ryca 2”

Para mim, foi importante ter um amigo como Pedro. Foi convivendo com ele e sua família que comecei, por exemplo, a prestar mais atenção nas letras do Chico Buarque. Seu espírito competitivo espelhava alguma coisa em mim, e sempre era um incentivo para tentar ver mais filmes, ler mais livros, ter mais referências. Acho até que eu poderia ter dedicado mais tempo a essas atividades, mas talvez o violão tenha roubado mesmo a minha atenção… Rsrsrs! Aliás, outra coincidência: nós estudamos também na Uni-Rio. Lá, Pedro se formou em Artes Cênicas e eu cursei alguns períodos de Música. Em uma ocasião, pude vê-lo atuando numa peça na faculdade. Pedro já vivenciou o fazer artístico sob diferentes óticas. Quando estreou em direção teatral, também fui lá conferir.

FORMAÇÃO:

“Busquei diversificar minha relação com a academia pra não ficar preso em uma carreira. Queria criar caminhos que clareassem minhas escolhas profissionais. Diria até que o audiovisual entrou um pouco tarde na minha vida: fui dirigir meu primeiro projeto aos 26 anos. Então, de alguma forma, cheguei nesse lugar depois de ter trilhado alguns caminhos. Sem dúvida, o teatro foi o que mais impulsionou minha relação com a direção. Foi subindo num palco e sendo dirigido por mestres como Amir Haddad que fui entender a força e importância de um diretor. Aprendi muito também com Ana Achcar, Maria Cristina Brito, fundamentais na minha formação”

Tô Ryca 2
A personagem de Samantha Schmütz passa um perrengue em “Tô Ryca 2”. O filme é divertidíssimo!

Jogamos muitas peladas, viajamos, estávamos no Circo Voador no seu primeiro encontro com Bruna, mãe de seus filhos. Esse vascaíno maluco já me chamou até para fazer algumas pontas em produções suas. Na época da produtora 2 Muleques, com Álvaro Campos, apareci nas séries pra web/TV “Os Buchas” e “Os Gozadores”. Mais tarde, nas telonas, toquei violão numa cena mutcho loca em “Altas Expectativas”. A filmografia do Pedro Antônio inclui ainda longas como “Um Tio Quase Perfeito” (1 e 2, com Marcus Magela), “Os Salafrários” e uma “Uma pitada de sorte”. Na TV, já trabalhou com nomes como Tatá Werneck (“Lady Night”) e o saudoso Paulo Gustavo (“A Vila”). No streaming, seu trabalho mais recente foi a primeira temporada de “LOL: se rir, já era”, para a Amazon Prime Video.

“TÔ RYCA 2”:

“Trabalhar com a Samantha é um deleite. Nos tornamos amigos de vida… daí já se vê o quanto prazeroso é o processo profissional ao lado dela. Ela é concentrada, estudiosa, está sempre de bom humor no set e criativa. Eu já fiz vários trabalhos ao lado dela, e pretendo fazer tantos outros… Fica fácil demais a vida do diretor quando tem a Samantha em frente à câmera. E no “TÔ RYCA 2″ o público vai encontrar ela em estado pleno, hilária e com uma habilidade impecável pra conduzir a narrativa. Sou fã mesmo!”

Pedro Antônio Paes
“LOL: se rir, já era”, foi o trabalho mais recente de Pedro Antônio para streaming (Amazon Prime Video)

Assistir à pré-estreia foi uma experiência maravilhosa, principalmente após mais de 2 anos sem ir ao cinema por causa da pandemia. A sala 3 do complexo de cinemas do Rio Sul oferece muito conforto, com cadeiras reclináveis, apoio para copo, etc. O evento foi concorrido e, depois de uma fila básica, peguei a pipoca e o refri de cortesia, escolhi um lugar central na sala e me deliciei uma bela comédia! A Samantha Schmütz é realmente genial, e a dupla dela com a personagem da Katiuscia Canoro sempre flui lindamente. O filme conta ainda com a ótima Evelyn Castro – que eu já tinha visto mandando bem no humorístico “Tô de Graça”, do Multishow – e do hilário Rafael Portugal, entre outros. A participação especial e musical é de ninguém menos que Maiara e Maraisa!

PROJETOS:

“A pandemia foi um momento de reclusão onde escrevi e criei bastante coisa, algumas delas estão gerando fruto agora. Acho que quando você opta pelo audiovisual não pode perder de vista a labuta diária. É desse esforço que vai surgir a sua carreira, não tem fórmula mágica. O grande desafio é achar com habilidade e estudo os caminhos que te levam a realizar um projeto. Pode parecer estranho o que vou falar, mas estamos adentrando um futuro promissor, o advento do streaming abriu o mercado e está gerando muitas oportunidades. Viva o cinema nacional!”

Pedro Antônio Paes
O diretor em ação no set: Pedro Antônio teve no teatro um dos pilares de sua formação (Arquivo pessoal)

Viva Pedro Antônio Paes!!

*A DICA CARIOCA da semana é: assistam ao filme “Tô Ryca 2” nos cinemas! 🙂

CLIQUE AQUI E OUÇA A PLAYLIST DESTA COLUNA NO SPOTIFY

Conheça outras descobertas de Gabriel Versiani pelo Rio de Janeiro em outras edições da coluna Contexto Carioca aqui!

Acompanhe o colunista @gabrielversiani.rj também no Instagram!

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?
%d blogueiros gostam disto: