fbpx

Brasil é o maior vencedor do Mondial du Fromage

Os produtores brasileiros foram destaque na 5ª edição do Mondial du Fromage et des Produits Laitier, foram 57 medalhas, representando 20% de toda a premiação

mondial
Produtores da Fazenda Bela Vida, medalhista de ouro na quinta edição do Mondial du Fromage. Foto: Divulga/Fazenda Bela Vista

O Brasil, representado pelos produtores artesanais de queijo, foi recordista de medalhas na quinta edição do Mondial du Fromage et des Produits Laitier. O concurso realizado na França reuniu mais de 150 expositores, 900 produtos e 46 países. Os brasileiros conquistaram 57 medalhas, representando 20% de toda a premiação.

Pelo Twitter, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Tereza Cristina, celebrou a conquista e parabenizou os produtores de queijo artesanal do país. “Quero cumprimentar a todos vocês, em especial, as 57 medalhas que o Brasil ganhou no concurso que participou na França. Isso é só o começo”, disse.

Ao todo, 57 produtores brasileiros participaram da premiação, eles representaram 20% do total de participantes e levaram para a França, 183 queijos. Nesta edição, foram distribuídas 331 medalhas e o Brasil voltou para casa com 57, representando também, 20% do total das medalhas. 

Um dos queijos vencedores da medalha de ouro foi o Queijo Artesanal da Fazenda Bela Vista Premium da cidade de Alagoa em Minas Gerais (MG). A Fazenda coleciona premiações nacionais e internacionais e neste ano, conquistou a quarta medalha no concurso francês. 

O Contexto conversou com a produtora e uma das proprietárias da Fazenda Bela Vista, Thaylane Siqueira Guedes, que nos falou sobre a importância da premiação e os desafios da produção artesanal de queijo no país.

CTXT: O que significa ser destaque em uma competição internacional como o Mondial du Fromage? 

Thaylane: Ganhar um prêmio dentro e fora do Brasil é muito importante para nós que somos pequenos produtores, que estamos na lida todos os dias de um trabalho tão suado.

O reconhecimento vem sim com os prêmios. Essa é a segunda vez consecutiva que a Fazenda Bela Vista ganha medalha de ouro no Mondial du Fromage. Na primeira vez em que participamos, em 2019, ganhamos um ouro e dois bronzes. Ao todo, a Fazenda Bela Vista tem quatro medalhas conquistadas no Mondial Du Fromage na França, nas duas edições que participamos.

O reconhecimento internacional abre portas para a produção artesanal?

Abre portas sim, com isso conseguimos agregar um pouco mais de valor no nosso produto. Não é só nós que ganhamos, mas todos os produtores de Alagoa-MG, pois a cidade toda, que é conhecida como a Capital do Queijo Artesanal, se beneficia. 

Afinal, aqui quase todos vivem da produção do Queijo Artesanal. Alagoa tem pouco mais de 2.700 habitantes e a produção do queijo movimenta a economia da pequena cidade cercada pelas montanhas da Serra da Mantiqueira.

Pelo resultado do concurso, pode-se dizer que as vacas brasileiras apresentam algumas vantagens para a produção de queijo? Existe alguma linhagem ideal?

Bom, realmente podemos ter vantagens, afinal na nossa propriedade toda a criação do gado é acompanhada por nós mesmo, meu sogro Cláudio sempre está de olho nas vaquinhas, se uma apresenta comportamento estranho, lá vai ele averiguar e ver o pode estar acontecendo com o animal. É tudo cuidado com muito amor, carinho e atenção. A pastagem é nativa e elas ficam numa boa no pasto, já sabem o horário da ordenha tanto da manhã quanto da tarde.

Para a produção do queijo Artesanal da Fazenda Bela Vista são mais de 35 anos de experiência. Acredito que para uma linhagem ideal nada melhor do que anos de experiência.

mondial
Foto: Divulgação/Fazenda Bela Vista

Mais produtores brasileiros estiveram presentes na premiação francesa neste ano, como você percebe esse momento do setor?

Sim, houve uma maior participação de produtores brasileiros no mundial da França, isso graças a Associação Sertãobras que faz isso acontecer, é ela quem leva os nossos queijos até a França, com o esforço e dedicação de cada associado.

Inclusive esse ano Alagoa teve uma participação maior e vieram para cá seis medalhas do Mondial du Fromage.  No ano de 2017, apenas um produtor participou, em 2019, três produtores participaram e vieram quatro medalhas para Alagoa. Neste ano, seis produtores participaram e vieram seis medalhas para Alagoa. 

Assim que ficamos sabendo que estavam abertas as inscrições para o concurso na França, meu esposo e eu avisamos outros produtores pelo grupo do WhatsApp e com isso, mais pessoas conseguiram se inscrever e enviar seus queijos. Acredito que na próxima edição do concurso, Alagoa terá mais inscritos e, consequentemente, mais medalhas, afinal nosso queijo compete muito bem com os queijos europeus. 

Thaylane, você pode nos contar um pouco mais sobre as licenças que autorizam a venda dos queijos artesanais e a circulação de mercadorias dentro do país? 

Na verdade aqui em Alagoa-MG só temos o SIM (Selo de Inspeção Municipal), nesse caso só posso vender meu queijo dentro da cidade. Só que como vendo meu queijo para meu vizinho que também produz o mesmo queijo que eu? Suponhamos que eu vendesse para ele e ele vendesse para mim, e aí, como vai girar a economia com os queijos parados em Alagoa? Porque eu não conseguiria vender para outro vizinho, afinal aqui, praticamente, todo mundo faz queijo. 

Então, é necessário que a regulamentação do setor, leis e licenças, passe por uma melhoria?

Melhorias nas leis sim, afinal nós somos pequenos produtores, produzimos em pequena escala. Tem produtores que chegam a fazer menos de 10 peças de 1kg por dia, como vamos fazer uma queijeira avaliada, até mesmo, em mais de 100 mil reais? Tem necessidade desse alto investimento para pequenos produtores? 

Realmente para fazer as leis e exigir licenças, primeiramente, deveriam visitar os pequenos e ver quais as condições, como é o trabalho, que, na maioria das vezes, é em família, que é o caso da Fazenda Bela Vista. Embora o nome Fazenda possa engrandecer, somos pequenos, assim como todos os outros produtores não só de Alagoa, mas de muitas regiões e cidades do país.

Governantes deveriam olhar com um pouco mais de atenção para o Artesanal já que nossos produtos são de excelência dentro e fora do país, o que já está provado e comprovado.

mondial
Queijo campeão da Fazenda Bela Vista. Foto: Divulgação/Fazenda Bela Vista

Onde encontrar o queijo medalha de ouro?

Ficou com vontade de experimentar os queijos da Fazenda Bela Vista? A partir do dia 19 de setembro, a Fazenda Bela Vista disponibilizará um canal de venda direta para o consumidor.

Para saber como fazer a sua encomenda, basta acompanhar as novidades pelo Instagram @fazendabelavistaalagoamg.

Confira os vencedores brasileiros na edição 2021 do Mondial du Fromage:

Super ouro

Queijo Minas Artesanal Quilombo Na Cachaça – Ivacy Pires Dos Santos
Canastra do Ivair – Reserva Super Ouro – Ivair José De Oliveira   
Queijo Santo Casamenteiro – Laticínios Cruzília   
Queijo Mandala 12 Meses – Pardinho Artesanal   
Queijo Canastra Serjao Maturado 100 Dias – Sergio De Paula Alves    

Ouro

Primavera Silvania – Camila Almeida Alves  
Serrinha Serveja – Camila Almeida Alves   
Bem Brasil Extra Maturado – Carolina Vilhena Bittencourt   
Sinhana Mons Cremeux – Holorico Soares Costa  
Queijo Valentina – Izabela Dias Fiorentini  
Foguin – Joao Vicente Rodrigues Borges  
A Lenda – Laticínios Cruzília  
Gregorio – Maristela Nicolellis  
Queijo Artesanal Jm Resinado – Marlucy Leite  
Queijo Cuestinha 2 Meses – Pardinho Artesanal  
Queijo Artesanal Fazenda Bela Vista Premium 60 – Renato De Souza e Thaylane    

Prata

Queijo Maria Nunes 30 Dias – Christiane Nunes   
Queijo Moria Nevada – Fabrizio Machado   
Dolce Bosco – Heloisa Collins  
Queijo Minas Artesanal Quilombo Casca Lavada – Ivacy Pires Dos Santos   
Queijo Ribeiro Fiorentini 120 Dias – Izabela Dias Fiorentini  
Queijo Giovanna – Izabela Dias Fiorentini   
Queijo Solera – Izabela Dias Fiorentini   
Manto da Serra – Laticínios Cruzília  
Queijo Alagoa Fumacê – Marcio Martins De Barros, Queijo D’alagoa/Mg
Queijo Araucária – Marcio Martins De Barros, Queijo D’alagoa/Mg   
Da Lenda Ibitira – Marco Paulo Quirino Costa  
Qma do Gir Da Lenda – Marco Paulo Quirino Costa  
Queijo Santa Clara Dourados Casca Florida 30 Dias – Maria Aparecida Machado Pereira e Dalmo Pereira  
Queijo Santa Clara Dourados Casca Florida 45 Dias – Maria Aparecida Machado Pereira e Dalmo Pereira  
Dona Iaiá Casca Florida 90 Dias – Marilia Simoes Jorge   
Queijo Mana Concafé 30 Dias – Marisa Alexandre Martins e Leomar Melo Martins
Fernão – Maristela Nicolellis  
Tropeirinho – Maristela Nicolellis  
Senzala Vulcão – Marly Leite  
Queijo Cuesta 8 Meses – Pardinho Artesanal  
Queijo Cuesta 10 Meses – Pardinho Artesanal  
Queijo Garrafão – Rita De Cassia Ribeiro Menezes   
Queijo Canastra Serjao 18 Dias – Sergio de Paula Alves  
Santuário do Mergulhão Queijo Minas Artesanal 50 Dias – Silmar de Castro Mota    

Bronze

Marandu – Claudia Mendonca Camargo  
Requeijão Caipira Raspas do Tacho Jeito De Mato – Diego Trevizan Livorati  
Queijo Canastra Sinhana 240 Dias – Holorico Soares Costa  
Queijo Rosário Mineiro Tropeiro – Itamar Pereira Dos Santos  
Canastra do Ivair – Ivair José De Oliveira  
Canastra J&C 90 Dias – Jadir da Costa Pereira  
Queijo Canastra do Johne – Johne de Castro  
Queijo Bicas Da Serra Tradicional – Jose Orlando Ferreira Junior
Serra da Mantiqueira Bronze – Laticínios Cruzília   
Queijo Art De Alagoa Faz Rio Acima 150 Dias – Leandro Siqueira Chaves
Queijo Maturado Santana 120 Dias – Lindomar Santana Dos Santos
Queijo Fazenda Santo Antônio 60 Dias – Marcos Vinicius Mendes
Queijo do Marajó Creme (Tradicional ) Búfala – Marcus E Cecilia Pinheiro, Faz São Victor
Canastra Matinha Do Ouro 60 Dias – Otinho e Eliane Freitas
Queijo Juá Casca Florida 40 Dias – Paulo Henrique Costa Fonseca
Barão da Canastra Casca Florida – Rogerio Julio Soares Ferreira   

 

*Matéria produzida em parceria com o www.terraviva.com.br 

Casa Lácteos

 

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?