fbpx

SP: Deputados cobram votação do PL do ensino domiciliar

domiciliar
Pais professores? Grupo de deputados defendem a aprovação da educação domiciliar em São Paulo. Foto: Jessica Lewis/Unsplash

O ensino domiciliar começou a ser debatido em 2019. Agora, um grupo de parlamentares cobram a votação em regime de urgência

A educação domiciliar, ou o chamado homeschooling, está em debate na Assembleia Legislativa de São Paulo. Um grupo de deputados cobram celeridade na votação do Projeto de Lei (PL) 707/19.

A proposta já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJR) e seguiu para a Comissão de Educação e Cultura. 

O PL tem co-autoria dos deputados Daniel José, Sérgio Victor, do partido NOVO, e da deputada Leticia Aguiar e do deputado Tenente Nascimento, os dois são do PSL. A proposta tem o apoio das bancadas, mas o PSOL discorda do projeto e pediu a obstrução da pauta.

Co-autora do projeto, a deputada Letícia Aguiar, afirma que “estou convencida de que o ensino domiciliar é de vital importância para a formação dos estudantes garantindo o envolvimento familiar dentro deste processo de Ensino-Aprendizagem. Espero que os colegas deputados entendam a importância do projeto e possamos de fato votá-lo ainda este ano”.

Segundo a Associação Nacional de Ensino Domiciliar (ANED), no Brasil, pelo menos 7.500 famílias são adeptas da educação domiciliar, com cerca de 15.000 crianças e adolescentes educadas em casa.

Para o deputado Tenente Nascimento, a propositura pretende regulamentar o que de fato já ocorre no Estado, facilitando também a vida de famílias cujos filhos possuem alguma necessidade específica. “Temos pessoas com problemas de saúde que muitas vezes na escola não encontram a devida acomodação para aprender, e em casa recebem educação de qualidade, afirmou.

O parlamentar ainda cobrou mais celeridade na votação do projeto para que a matéria seja apreciada e votada. “Digo a você presidente, a quem mais se dá, mais se cobra. Estamos vivendo momentos difíceis na Educação e chegou o momento do nosso projeto de homeschooling sair da Comissão de Educação e Cultura e vir a plenário para um debate amplo”, disse Nascimento.

Pandemia e educação domiciliar?

Além disso, o grupo de parlamentares, que defendem a proposta, entendem que com a pandemia do coronavírus e a suspensão das aulas presenciais, os pais e responsáveis viveram a experiência da educação domiciliar.  

Contudo, mesmo com a suspensão das aulas presenciais, as escolas criaram alternativas para realizar as atividades no ambiente virtual e seguiram com o apoio pedagógico aos estudantes. Os pais tiveram o papel de acompanhar os filhos, diferente do que a proposta defende. 

No PL 707/2019 consta que o ensino seria de responsabilidade dos pais, que deverão manter registro das atividades pedagógicas e apresentá-lo ao Poder Público. As crianças e adolescentes que estiverem nesse regime serão avaliadas por provas aplicadas pelo sistema de educação. 

A proposta defende que “O Ensino Domiciliar (Homeschooling) é um método mundialmente utilizado como uma alternativa ao ensino tradicional, o qual oferece aos pais e/ou tutores a possibilidade de educar seus filhos em casa, proporcionando-lhes um ensino singular e personalizado o que favorece um maior aproveitamento e desenvolvimento de suas aptidões naturais.”

No dia 11 de agosto, o projeto foi distribuído para parecer da deputada Leci Brandão (PCdoB). Após a conclusão do parecer, este será colocado em votação na Comissão de Educação e Cultura.

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?