fbpx

Presença de pets aumenta nos lares brasileiros durante a pandemia

pets

A edição do Radar Pet 2021 aponta que a adoção segue como uma forte tendência durante a pandemia do coronavírus

O número dos pets nos lares brasileiros aumentou em 30% durante a pandemia do coronavírus, de acordo com a pesquisa Radar Pet 2021 realizada pela A Comissão de Animais de Companhia (COMAC) do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan). O estudo ainda trouxe outras revelações, como o crescimento das adoções e o fortalecimento do laço afetivo entre tutor e animal de estimação.  

Com as pessoas ficando mais em casa no último ano, os tutores se aproximaram mais dos seus bichinhos e eles acabaram ajudando os ‘humanos’ a enfrentar a pandemia. “Os animais de companhia são extremamente importantes para a saúde e bem-estar emocional das famílias durante esse período de estresse. E isso alavancou as adoções, que já era uma tendência forte, mas foi alavancada”, comenta Leonardo Brandão, coordenador da Comac.

A pesquisa ainda revela que 23% dos entrevistados se tornaram tutores pela primeira vez de um pet durante a pandemia. E a principal porta de entrada dos animais foi a por meio da adoção, que se mantém como uma tendência no país.

Entre os felinos, 84% foram adotados e, entre os cães, 54% são furtos de adoção. Outras curiosidades reveladas pela pesquisa, a região Norte foi a que mais adotou gatos, e eles deverão ser no futuro os pets predominantes no Brasil. Casais sem filhos também estão preferindo dar um lar para os felinos.

A forma na qual os tutores enxergam os pets foi avaliada na pesquisa e dos tutores de cães, 31% o percebem como filho, 28% como membro da família e apenas 7% como bicho de estimação. Já entre os donos de gatos, 27% consideram seus felinos como filhos, 26% como membros da família e 13% como bichos de estimação. 

Aumento em compras online e tempo com os pets

Nas mudanças de hábitos de consumo e comportamento, as compras online e o desejo de aproveitar mais a companhia dos pets são os principais destaques. Cerca de 74% das pessoas fizeram mais compras por plataformas digitais e a maioria pretende manter esse hábito mesmo após a pandemia. Além disso, 73% conseguiu desfrutar mais tempo com os animais de companhia.

Maior cuidado com a saúde

O levantamento ainda indica que os tutores começaram a cuidar melhor dos animais e frequentar mais os veterinários. A maioria dos tutores de cães levaram os animais a alguma consulta veterinária durante a pandemia, sendo a maioria para prevenção ou aplicação de vacinas. Consultas à domicílio foram bem avaliadas pelos participantes da pesquisa, assim como compras online para produtos e medicamentos voltados para os pets.

Fortalecimento dos laços com os animais 

O percentual de tutores que enxergam os animais como filhos ou membros da família aumentou, mostrando que o período também foi relevante para fortalecer os laços entre aqueles que permaneceram com seus animais. Também diminuiu o percentual de pessoas que enxergam os animais apenas como um bicho de estimação.

Digitalização do setor veterinário

Além do aumento das consultas online, os veterinários também aumentaram a presença nas redes sociais, se comunicando com clientes em pelo menos duas redes sociais. Outro ponto interessante é a compra de medicamentos online. Anteriormente, as compras eram voltadas majoritariamente por rações e acessórios. Mas a digitalização de pet shops e lojas do setor geraram confiança para outros produtos serem comercializados de forma digital.

Busca maior por informações

Os tutores também pesquisaram bastante sobre temas como contágio e transmissibilidade da Covid-19 em pets, leram sobre saúde animal e medicamentos na internet e assistiram vídeos e lives com temáticas voltadas para o bem-estar dos pets.

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?