fbpx

Diabetes e obesidade crescem entre indígenas no Pará

indígenas
Foto: Marcelo Seabra / Agência Pará
  • Pesquisadores identificam o surgimento de doenças crônicas como hipertensão, obesidade e diabetes tipo II em grupos indígenas da região do Xingu

  • Crescimento dos casos pode ter relação com predisposições genéticas e com mudanças na dieta, como o maior consumo de alimentos ultraprocessados

  • Pesquisadores buscam contribuir na identificação de perfil genético das populações indígenas brasileiras para possibilitar medicina personalizada

As doenças crônicas, como a obesidade, diabetes tipo II e hipertensão, são multifatoriais e atingem boa parte da população brasileira. Estudo publicado na revista “Genetics and Molecular Biology” na quarta (11) identifica o surgimento dessas doenças crônicas também em grupos indígenas da região do Xingu e do polo de Marabá, sudoeste do Pará. Pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA) apontam para um processo inicial de mudanças metabólicas e nutricionais e dos padrões de doenças característicos dessas populações.

O estudo de campo foi conduzido por uma equipe multiprofissional junto a aldeias de povos indígenas da região do rio Xingu, em Altamira, e na Terra Indígena Mãe Maria, em Bom Jesus do Tocantins, no Estado do Pará, entre 2007 e 2014. Participaram do estudo 628 indígenas dos grupos Arara, Araweté, Asurini do Xingu, Parakanã, Xikrin do Bacajá e Gavião Kyikatêjê. “A maioria dos exames para coleta dos dados foi feita na própria aldeia. Coletávamos amostras de sangue, após a autorização dos povos para realização da pesquisa, e a análise era feita ali mesmo, com equipamentos que eram levados pelas equipes. Os resultados eram dados aos indígenas no mesmo dia, junto das orientações e medicamentos para tratamento das doenças”, explica o médico e cientista João Guerreiro, um dos autores do estudo.

Fora do campo, os pesquisadores realizaram apenas as análises genéticas. “As doenças infecciosas ainda são predominantes, mas pudemos perceber o aparecimento das doenças metabólicas crônicas nas etnias analisadas”, explica Guerreiro. A transição pode ser atribuída a predisposições genéticas dos indivíduos e a mudanças na alimentação. “Cada vez mais, observamos a inclusão de alimentos ultraprocessados, ricos em açúcar e gordura, na dieta indígena, se assemelhando à dieta ocidental”, aponta o autor.

Os pesquisadores também constataram que diversos genes descritos como fatores de risco para as doenças metabólicas na população europeia, africana e asiática não podem ser utilizados como referências para populações indígenas. “Observamos que nem sempre é possível utilizar os dados europeus como referenciais para populações indígenas, pois estas possuem suas diferenças biológicas e suscetibilidade para doenças”, explica João Guerreiro. “Os processos de transição epidemiológica diferem entre populações. É provável que existam variações genéticas características da população indígena”, acrescenta o cientista.

A pesquisa, que faz parte de um projeto piloto, auxilia na identificação do perfil genético dos indígenas. O objetivo é possibilitar, no futuro, uma medicina personalizada para essa população. “A partir do nosso trabalho, ao identificarmos os genes da população indígena, podemos estender esses resultados para a população brasileira em geral, visto que é uma população miscigenada, possibilitando, cada vez mais, uma medicina personalizada”, conclui o pesquisador.

 

Fonte: Agência Bori

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?
%d blogueiros gostam disto: