fbpx

Bota Restaurante, uma experiência à parte na Marina da Glória

Ir ao Bota Restaurante (@botarestaurante) não significa apenas provar uma boa comida italiana contemporânea: é vivenciar uma experiência à parte na Marina da Glória, um dos pontos mais bonitos e centrais do Rio de Janeiro. Localizada no Aterro do Flamengo, pertinho do aeroporto Santos Dumont, a Marina conta com estacionamento e oferece – além de passeios de barco, mergulho e esportes náuticos – mais 3 opções em gastronomia. Lá também estão o Kitchen Asian Food, o Corrientes 348 (cortes argentinos) e o Empório Rio, especializado na culinária carioca.

Bota Restaurante
Carpaccio di Manzo: fatias finas de carne bovina com queijo grana padano, alcaparras, rúcula e torradinhas.

Mas o Bota é privilegiado: seu wine garden proporciona uma experiência à parte. Pode-se ver o mar de perto, os barcos e, mais ao longe, o bairro da Glória e o Centro. Boa música lounge e a gastronomia em si completam o pacote – que não é barato, mas vale a pena conferir. Às sextas, sábados e domingos à noite tem música ao vivo e DJ. Fomos atendidos pelo Renato, o primeiro funcionário da casa, que tem cerca de 4 anos. “O restaurante é italiano, mas tem outras opções. O público carioca gosta de diversidade”, disse o simpático garçom.

Bota Restaurante
“Flor da Noite”: pitaya, vodca Ketel One, abacaxi, xarope de hibisco, Malibu e espuma de coco com abacaxi. Coisa de louco!!!

Havia mesmo alternativas interessantes de carnes e frutos do mar no cardápio, mas decidi apostar na mesmo na temática italiana. Para abrir, nada como um bom Carpaccio di Manzo (R$ 46), fatias finas de carne bovina com queijo grana padano, alcaparras, rúcula e torradinhas. Minha esposa pediu um rosé para acompanhar. A casa dispõe de uma adega com ótimos rótulos. Mas eu estava interessado nos drinks autorais e o “Flor da Noite” (R$ 40) era a descrição mais atraente: pitaya, vodca Ketel One, abacaxi, xarope de hibisco, Malibu e espuma de coco com abacaxi. A melhor definição para esta criação de @fabiano_bartender1990 é: COISA DE LOUCO!!!

Bota Restaurante
Tagliatelle ai Frutti di Mare: tagliatelle com polvo, lulas, camarões e mariscos ao pomodoro fresco.

Para o principal, pedi Tagliatelle ai Frutti di Mare (R$ 99): tagliatelle com polvo, lulas, camarões e mariscos ao pomodoro fresco. O prato é bem servido, a boa massa da casa vem al dente, os frutos do mar são frescos e fartos. Algo que valorizei muito foi a quantidade ideal de sal: o queijo grana ralado complementa com perfeição. De sobremesa, um clássico tiramusi com biscoito artesanal (R$ 32). Irretocável em todas as camadas.

Bota Restaurante

De sobremesa, um clássico tiramusi com biscoito artesanal: irretocável em todas as camadas.

Não tenho barco, tampouco iate. Então, sempre que estive na Marina da Glória fui levado por outro motivo: MÚSICA. No início dos anos 2000 fiz o show de encerramento, com minha banda de forró na época, do saudoso grupo Mestre Ambrósio. Em 2003, trabalhei no staff do TIM Festival como intérprete da banda White Stripes, principal atração da edição. A dupla fez um show memorável, precedido de momentos tensos com mais de 1 hora de atraso. Mas quando tocaram “Seven Narion Army”, todos já haviam esquecido… Mais recentemente e em situação mais calma, curti os shows gratuitos do fabuloso Mimo Festival 2017. No line up, atrações diversas como Criolo, Relógio de Dali, Aline Paes e até artistas internacionais. Lá também já o lendário Arthur Maia solando no baixo a introdução de “Palco”,  no showzaço do Gil.

DEPOIS CLICA AQUI PRA OUVIR A PLAYLIST DA COLUNA NO SPOTIFY! 😉

Pretendo experimentar os outros restaurantes da Marina da Glória. Por ora, posso apenas me redimir do equívoco quando, ao escrever sobre o vizinho Bistrô da Casa, aqui na coluna, afirmei que o bairro esteve órfão de alta gastronomia com o fechamento da Casa da Suíça, em 2017. Eu não conhecia os restaurantes da Marina, embora na ocasião eu me referisse àquela Glória “raiz”, das calçadas e esquinas onde se pode flanar sem lenço nem documento, em ambiente bem mais democrático.

DICA CARIOCA

Estreia hoje (20/08), na plataforma Sympla (link aqui), a peça online Pão e Circo (@paoecirco.teatro), texto de Leonardo Bruno e Pedro Monteiro com direção de Isaac Bernat. O espetáculo fala sobre a questão do abandono paterno, e se passa durante uma partida de futebol. O goleiro, enfrenta dois adversários: o outro time e seus próprios pensamentos e lembranças.

Pão e Circo
Pão e Circo estreia hoje (20/08), na plataforma Sympla.

Você já deve ter visto o Pedro Monteiro, também conhecido na cena como Pedro Ruivo, em comerciais de TV. O cara é muito gente boa e talentoso. Tive a oportunidade de assistir “Entregue seu coração no recuo da bateria”,  seu último espetáculo, na Sala Baden Powell. Ele dividia a cena com a esposa e atriz Gabriela Estêvão (que também está em Pão e Circo), em uma comédia muito divertida, com recursos simples e criatividade de sobra. O ator concedeu entrevista nesta quarta à Rádio Roquette Pinto:

“O espetáculo anterior também falava de amor, mas de um amor presente. Desta vez, falamos sobre a ausência paterna, uma verdadeira epidemia social. O enredo envolve ainda o futebol, que é uma paixão nacional. A ideia inicial era nos apresentarmos nos palcos, mas a pandemia nos levou a este formato que mistura teatro e cinema, com a vantagem de alcançarmos o público em qualquer lugar pela internet. O show não pode parar”, Pedro Monteiro, ator e coautor de Pão e Circo.

Conheça outras descobertas de Gabriel Versiani pelo Rio de Janeiro em outras edições da coluna Contexto Carioca aqui!

Acompanhe o colunista @gabrielversiani.rj também no Instagram!

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?