fbpx

Atletas da Flotilha de Optimist do Iate Clube de Brasília conquistam prêmios em categorias de gente grande

 

Ousadia que deu certo: o timoneiro Ziga montou uma tripulação com a Flotilha de Optimist do ICB e Rafael Dietzsch que além de velejador é pai de um dos atletas, e conquistaram o 2º lugar na categoria Cruzeiro. Foto: Felipe Bastos

A Regata Aniversário que celebrou os 62 anos do Iate Clube de Brasília, aconteceu no primeiro final de semana  de abril (2 e 3), foi marcada pela integração entre gerações de velejadores de diversas categorias do clube. Integrantes da Flotilha  da classe Optimist participaram de competições em outras categorias, e conquistaram resultados incríveis.

A dupla formada pelo treinador Felipe Rondina e o atleta de Optmist Uthar Matheus garantiu o primeiro lugar na classe Snipe.  No campeão pela Regra Bravo do Grupo Regata, o barco Mizú, os velejadores Breno Ramos e Renato Lunetta participaram  da tripulação.

No Der Sieger, 2º colocado na categoria Cruzeiro,  a tripulação contou com os atletas Antônio Fakhouri, Arturo Babos, Arthur Dietzsch, Bernardo Raulino, Catarina Santana, Francisco Martins,  João Paternostro, Maria Nogueira  e Noah Rocha Além dos prêmios, os jovens velejadores acumularam importantes e inesquecíveis experiências.

Para o comodoro do Iate Clube de Brasília, Flávio Pimentel, esta aproximação é importantíssima. “Momentos de integração entre velejadores de diferentes idades são fundamentais para compartilhar experiências e trabalhar em equipe. Creio que a oportunidade de voltar a realizar a Regata Aniversário e mostrar aos atletas da vela, especialmente, que o iatismo é um esporte democrático, o qual pode ser praticado por pessoas de diferentes idades, contribuiu ainda mais para manter nossos velejadores motivados e para reafirmar o propósito do Iate em ser um clube referência no esporte”, considerou.

Confira imagens e depoimentos das experiências!

 

Uthar Matheus com Felipe Rondina garantiu o primeiro lugar no Snipe da Regata Aniversário.

“Eu já tinha chegado em primeiro lugar algumas vezes no Optmist,  mas  ao ganhar em outros barcos, você sente uma sensação muito boa de aprendizado, se sente mais confiante para a próxima regata. Você também está sempre querendo melhorar, e quando você chega em primeiro você percebe que o seu treinamento está dando resultado. É quando você vai ficando mais inspirado!” Uthar Mathues, 13 anos, atleta da Flotilha de Optimist do Iate Clube de Brasília.

 

Atletas da Flotilha de Optimist do ICB que tripularam o Der Sieger na Regata Aniversário. Foto: Rafael Dietzsch

“Eu já tinha essa vontade de velejar com a garotada no Der Sieger, um veleiro de pouco mais de nove metros e quatro toneladas, há algum tempo. Sabia que essa seria uma experiência incrível para eles, acostumados que estão de velejar em um pequeno barco de 45 kg, o Optimist. Vi no rostinho de cada um deles o brilho nos olhos, o desafio de regular aquelas velas enormes. O João foi um dos mais empolgados, ele perguntou algumas vezes quanto tempo faltava porque ele queria que aquela velejada durasse o dia todo. A verdade é que o mais feliz ali era eu. Fiquei muito emocionado. Velejo desde os seis anos, naveguei cinco anos de optimist, disputei vários campeonatos em muitos clubes do Brasil e no exterior, trago amizade daquela turma até hoje, somos uma família. Essa velejada foi apenas uma oportunidade de retribuir um pouco de tudo aquilo que ganhei e desfrutei. No final da regata veio o pódio, ficamos em segundo lugar, mais devido a um rating mal calculado. Mas o gosto foi de vitória e minha medalha foi esse registro feito pelo Rafael Dietzsch, uma belíssima foto que vou guardar no coração o resto da vida.” Marcello Katalinic (Ziga), timoneiro do Der Sieger.

 

No campeão do Grupo Regata, Mizú, os atletas da Flotilha de OP,  Breno no comando e Renato Lunetta no balão. Foto: Felipe Meira. Lunetta, conquistou ainda o 3º lugar na categoria Laser.

“Acho de extrema importância atletas mais jovens que estão focados em uma só categoria, como no meu caso o Optimist, começarem a experimentar novos tipos de barcos. Isso irá auxiliá-lo em aprender novas maneiras de navegar sua embarcação ou até mesmo interagir com a tripulações diferentes. Tive grandes aprendizados e conquistas com a equipe do Mizú que me proporcionou grandes vivências, desafios e medalhas.” Renato Lunetta, 13 anos, atleta da Flotilha de Optimist do Iate Clube de Brasília.

 

“Levamos no Mizú o Breno e o e o Renato e dos dois tiveram experiência de estar no Leme. O Breno cruzou a linha de chegada no Leme, com o Renato nas escotas do balão. Essa experiência que eles tiveram, eu acredito que eles vão levar pra vida deles.  Assim como aconteceu comigo também. Quando eu era pequeno, sempre que tive essa oportunidade de velejar em barcos grandes eu ia e eu acho que só acrescentou muito pra mim não só no lado esportivo mas também por me apaixonar pelo esporte. Acho que esse final de semana foi muito marcante”. Felipe Rondina, timoneiro no Mizú.

 

“Foi a primeira vez que eu velejei em um cabinado e gostei muito. O barco andou muito rápido e quando ele faz as curvas, a gente precisa se segurar e ajudar no contrapeso. Eu só achei que a regata acabou rápido, mas eu adorei!” João Paternostro, 8 anos atleta da Flotilha de Optimist do Iate Clube de Brasília.

A alegria estava estampada no rostos dos jovens velejadores! Foto: Felipe Bastos
Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?
%d blogueiros gostam disto: