fbpx

30 anos da estreia de Michael Schumacher na F1

schumacher
Michael Schumacher em 2012. Foto: Foto: exit 1979/ Flckr Common / Fotos Públicas

No dia 5 de setembro, estreia na Netflix o documentário ‘Schumacher’

O circo da Fórmula 1 se prepara para mais uma etapa da temporada 2021. A prova será no icônico circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica, e marca o aniversário da estreia de uma das lendas da categoria, Michael Schumacher.

Os números de Schumacher são impressionantes. São sete títulos mundiais, 91 vitórias, 155 pódios e 68 pole positions. Uma carreira marcada pelos recordes, mas também pelas polêmicas. Vamos relembrar um pouco da história do multicampeão.

Schumacher: uma breve história

O alemão sete vezes campeão da F1 estreou em 1991 no Grande Prêmio da Bélgica. Schumacher tinha 22 anos e precisou de uma prova para chamar a atenção de Flávio Briatore, da Benetton. O jovem piloto largou em sétimo, chegou a ocupar a quarta posição e, com um problema na embreagem, a corrida terminou mais cedo. No entanto, a performance fez com que ele garantisse uma vaga na categoria.

Schumacher entrou no lugar de um brasileiro, Roberto Pupo Moreno, e se tornou companheiro de outro, o tricampeão Nelson Piquet. 

A Bélgica não só marca o início da história de Schumacher na F1. Em Spa-Francorchamps, o alemão venceu a primeira prova e foi em 1992. Naquela temporada, ele terminaria em terceiro lugar. 

Dois anos mais tarde, viria o primeiro título mundial, e foi um ano com muita polêmica e disputa com Damon Hill, piloto da Williams. Ainda em 1994, Michael Schumacher chegou a ser banido em duas provas e na última corrida, na Austrália, fez uma manobra controversa e acabou colidindo com Hill, que acabou abandonando a prova.

Em 1997, parecia reprise do foi visto três anos antes, mas dessa vez, Schumacher estava na Ferrari e o rival era Jacques Villeneuve, da Williams. E o desfecho foi um pouco diferente.

Schumacher liderava a prova em Jerez, na Espanha, e Villeneuve estava em segundo e partiu para o ataque. O canadense colocou de lado e, na curva, o alemão fechou a porta e levou a pior. Fim de prova para o piloto da Ferrari que viu o filho do lendário piloto Gilles Villeneuve vencer o título de 1997.

Nos anos 2000, Michael Schumacher se tornou imbatível com a Ferrari. Os títulos vieram em 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004.

Em 2005 e 2006, o alemão foi superado pelo Príncipe das Astúrias, Fernando Alonso, correndo na Renault de Flávio Briatore.

A temporada de 2006 foi a despedida de Michael Schumacher da Ferrari. E apontado por muitos, um dos melhores anos do alemão na categoria. Naquele ano, Felipe Massa estreou na equipe italiana e se tornou o primeiro brasileiro a vencer em Interlagos após a Era Senna. 

A história de Schumacher na F1 teve um capítulo especial. O heptacampeão chegou a voltar a correr em 2009 com a equipe Mercedes, o time que se consolidou vitorioso anos mais tarde com Lewis Hamilton. E em 2012, ele se aposentou da F1

Hoje não, hoje sim..

Para os brasileiros, uma cena ficou marcada na história do esporte e da televisão. O ano era 2002, a corrida era na Áustria e Rubens Barrichello, companheiro do alemão na Ferrari, liderava. 

Por ordem de equipe, Barrichello teve que trocar de posição com Schumacher e abrir mão da vitória. E o momento ficou eternizado pela reação do narrador da TV Globo Cléber Machado, “hoje não, hoje não. Hoje sim, hoje sim”.

Acidente de Esqui

Foi em 2013 que Michael Schumacher sofreu um acidente de esqui nos Alpes Franceses. A família optou pela privacidade e pouco se sabe sobre o estado de saúde do ex-piloto. 

Jean Todt, atual presidente da Federação Internacional de Automobilismo, segue em contato com o ex-piloto e realiza visitas mensais. Em entrevista ao Bild, o ex-chefe da Ferrari reforçou o papel de Corinna Schumacher na recuperação. E ele ainda afirmou que Schumacher está vivo por causa da esposa.

Documentário Netflix

O nome Schumacher segue na Fórmula 1, agora é carregado pelo filho da lenda, Mick. E falando antes da estreia em Spa, o jovem piloto comentou sobre o lançamento do documentário produzido pela Netflix: Schumacher. 

A produção foi aprovada pela família e trará entrevistas raras e imagens de arquivos inéditas. E deverá emocionar muita gente.

“Bem, obviamente, acho que será um documentário muito emocionante para muitas pessoas”, disse ele. “É [a Netflix] trouxe muitas pessoas para o esporte, mas para muitas pessoas, quando eles estavam crescendo, eles assistiram meu pai, então será muito emocionante ver o documentário”, disse.

Em julho deste ano no circuito de Silverstone, na Inglaterra, Mick guiou o carro de estreia da F1 do pai, o Jordan 191 e agora, será a vez de Mick correr pela primeira vez em Spa, uma pista conhecida, afinal, ele já teve sucesso na Bélgica nas categorias de acesso à Fórmula 1.

“[Não] apenas por causa da história do meu pai, mas também tive algumas boas corridas aqui. Tive a minha primeira pole position, minha primeira vitória em 2018 aqui com a F3, que depois se tornou uma sequência de múltiplas vitórias, então definitivamente, sim, é uma pista que eu gosto muito”, disse Mick Schumacher.

Os admiradores de Michael Schumacher e os entusiastas da velocidade anotem na agenda: dia 5 de setembro estreia o documentário Schumacher na Netflix.

Aproveite e assista ao trailer:

Ler esta notícia me deixou:
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?