“10% faz diferença”. Reajuste de passagens pode prejudicar trabalhadores

O aumento passou a valer nesta segunda-feira (13) em todo o Distrito Federal e causou revolta entre os moradores que passaram pela Rodoviária do Plano Piloto

O reajuste nas passagens de ônibus e metrô no Distrito Federal começou a valer nesta segunda-feira (13/01/2020). Os brasilienses vão ter que arcar com 10% a mais no valor de todos os transportes públicos da capital, com valores variam de R$ 2,75 a R$ 5,50.

O reajuste foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal na última sexta-feira (10/01/2020). Todas as 826 linhas de ônibus, incluindo circulares internas, curtas e longas/integração, passaram pelo reajuste.

Contudo, o aumento no valor despertou revolta nos moradores, e a opinião contrária tomou conta da Rodoviária de Brasília desde a manhã desta segunda. A diarista Eliane Silva, de 31 anos, conta que se sentiu roubada ao saber dos novos preços. “Não adianta nada cobrar mais caro se os ônibus continuam ruins, quebrados e lotados. 10% faz diferença no final do mês”, afirma.

Segundo ela, o reajuste aconteceu apenas no bolso dos trabalhadores. “As minhas patroas não estão nada felizes de ter que me pagar mais, e não sei se vou receber o equivalente”, comenta.

Para Antônio Carlos Filho, de 25 anos, o valor é abusivo. “É absurdo cobrar esse valor para a falta de qualidade do transporte. Uma vergonha para o governo, que não olha para o trabalhador”. O estudante de contabilidade e estagiário explica que ainda não obteve resposta dos chefes quanto ao reajuste no salário para cobrir a despesa. “Não falaram nada, e eu to aqui pagando”.

O empresário Lúcio Medeiros, dono de uma empresa de lanchonetes em Taguatinga, revela que o reajuste pegou a todos de surpresa. “Vou ter que desembolsar mais para que os meus colaboradores venham trabalhar e sei que eles não terão mais conforto por conta disso. É injusto conosco e com eles”, complementa.

Reajuste contestado

Diante da alta nas passagens, o Ministério Público de Contas (MPC-DF) decidiu cobrar explicações da Secretaria de Transporte e Mobilidade. Um ofício foi encaminhado para a pasta concedendo o prazo de 48 horas para que o Governo do Distrito Federal (GDF) se manifeste oficialmente para o órgão sobre o reajuste.

Debate na Câmara

O presidente em exercício da Câmara Legislativa (CLDF), Rodrigo Delmasso (Republicanos), se reúne com deputados da oposição na tarde desta segunda-feira. O debate será sobre o projeto de decreto legislativo (PDL), que pede o restabelecimento dos valores nas passagens do transporte público da capital.

Ler esta notícia me deixou:
shares
Open chat
Olá,
Agradecemos o seu contato! Como podemos te ajudar?